Inspiration .

Urban Planning .

By Isabel dos Santos .

5 desafios para as Cidades

África deve preparar-se já para receber os 1,7 biliões de pessoas que vão viver no continente até 2030. O planeamento urbanístico das nossas cidades é essencial perante os níveis de crescimento da população na próxima década. Este desafio é tremendo e não pode esperar.

1. Planear, preparar e projectar

Um dos maiores desafios atuais é o rápido crescimento das zonas urbanas antes da construção das infraestruturas adequadas. As cidades crescem de forma desordenada e os investimentos necessários não acompanham este ritmo. Adaptar novas infraestruturas a uma cidade já desenvolvida pode custar três vezes mais do que no início do seu desenvolvimento urbanístico. Antecipar a infraestrutura antes da população chegar é, não só inteligente, como traz grandes vantagens de custo. Esta realidade é particularmente importante quando 2/3 das cidades africanas estão ainda por construir.

2. Infraestrutura e conectividade

As cidades são verdadeiros motores de desenvolvimento económico, mas também colocam grandes desafios quanto ao congestionamento de automóveis ou ao excesso de população. Para que a actividade económica se desenvolva em todo o seu potencial, a infraestrutura importa, mas também é crucial a conectividade entre os espaços urbanos, portos e aeroportos. Numa cidade com boas conexões, as empresas querem investir, conseguem descer os custos, aumentar a especialização e a produtividade. As cidades tornam-se verdadeiras máquinas de criação de emprego.

3. Direitos de propriedade

Precisamos de ter ruas com nomes, casas com números, endereços, para que nos possamos tornar proprietários das nossas cidades, das nossas casas. Só assim podemos exercer a nossa cidadania. É importante desenvolver os direitos de propriedade e este processo de registo deve ser acompanhado por um mercado imobiliário dinâmico, no qual as populações possam trocar de habitação.

4. Gerir as cidades

As cidades são autênticos motores de prosperidade e temos de sentir que os nossos impostos irão ser empregues na construção de novas escolas e melhores bairros para os nossos filhos e famílias. Uma cidade deve ter a possibilidade de colectar receita para que seja usada em benefício de todos. Conscientes dos nossos deveres enquanto cidadãos, podemos exigir o direito a uma cidade inclusiva e próspera.

5. Cidades inclusivas

As cidades inclusivas devem ser uma preocupação de todos nós. Precisamos de gerir correctamente a nossa terra e planear como serão feitos os projectos de desenvolvimento urbano, tendo em conta um propósito: o bem-estar de todos. Não se trata apenas de edificar, mas olhar a cidade como espaços de vida. Como manter as comunidades vivas e ligadas entre si, com sentimento de pertença. Cidades seguras, agradáveis, amigas do ambiente, sustentáveis. Temos de saber olhar para este desafio como uma oportunidade. Não há margem para erro. As cidades devem ser uma prioridade hoje, para que amanhã possam acolher todos de braças abertos.