Talks .

CIIE 2019 .

By Isabel dos Santos .

Futuro de África passa pelo continente asiático

Nos últimos 20 anos, a economia crescente da China tem sido uma das principais forças motrizes do crescimento da economia mundial. Na minha participação na China International Import Expo 2019, em Xangai, na China, defendi que graças à sua estratégia “One Belt, one Road”, a visão da China agora garante que o crescimento global, por sua vez, contribua para consolidar a força económica da China a longo prazo.

No caso de África, a política tributária de importação da China, a tarifas zero, para produtos “Made in Africa”, é uma oportunidade extraordinária para aumentar a presença e o comércio africanos com a China e para crescer e fazer prosperar os nossos produtos, os nossos negócios, as nossas economias e as nossas comunidades.

A venda dos nossos produtos “Made in Africa” no mercado chinês permite oportunidades de trabalho e criação de empregos para os jovens africanos.

O discurso do Presidente Xi Jinping na Cerimónia de Abertura da Exposição, inspirou-me com três ideias concretas que ajudariam a impulsionar o comércio entre a China e África.

 

Primeira ideia, uma recomendação aos governos africanos:

Precisamos de melhorar o nosso desempenho e eficiência como plataforma de exportação para a China, se queremos aproveitar ao máximo a oportunidade de entrar no mercado chinês.

Para isso, será necessário melhorar a proximidade e a qualidade do diálogo entre as empresas do sector privado e as autoridades do governo local. Como exemplo, fui a Xangai para promover o mais recente produto da nossa empresa produtora de cerveja, sediada no coração de Luanda, capital do meu país, Angola. A Luandina é uma cerveja premium, um produto totalmente africano, de óptima qualidade, elaborado com os melhores ingredientes.

Criamos a Luandina inspirada na força do deserto do nosso continente, na pureza da água dos nossos rios, na beleza refinada da nossa cultura, para que seja a melhor cerveja africana.

O potencial oferecido pela abertura do mercado chinês é ilimitado. Portanto, é imperativo reduzir a longa burocracia e atrasos no processo de exportação no porto de partida. Nós devemos aumentar a nossa eficiência. Da mesma forma, os custos locais ainda são muito altos em proporção ao custo total das operações de exportação.

Este diálogo e essa proximidade entre entidades públicas e privadas são fundamentais para capitalizar e usar a janela aberta ao mercado chinês de produtos africanos e gerar crescimento económico e empregos para África.

Isabel dos Santos na China International Import Expo 2019 - Xangai, China

Segunda ideia, um pedido:

O presidente Xi Jinping expressou a sua visão sobre um comércio global mais inclusivo e equitativo que seja mais robusto. A justiça no comércio é um conceito fundamental.

Precisamos do apoio e da boa vontade da China para ajudar a promover e fornecer produtos “Made in Africa” para plataformas de comércio electrónico. A igualdade exigiria que as plataformas africanas de comércio electrónico fossem tratadas como qualquer outro produto no mundo.

Através de plataformas gigantes de comércio electrónico, podemos trabalhar juntos e ser um exemplo concreto da visão da China, para estabelecer um comércio internacional mais diversificado e mais justo.

Um dos Objetivos das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável é o trabalho decente e o crescimento económico. África precisa de condições equitativas para poder comercializar e vender produtos “Made in Africa”, e isso seria uma maneira de alcançar o crescimento económico de África.

Terceira ideia, uma reflexão:

Em África, a sabedoria é geralmente expressa em provérbios. Fiquei particularmente emocionado com a mensagem do presidente chinês: “Os jovens na China sempre dizem que o resto do mundo é tão grande, e gostaríamos de ver mais disso” e dizemos-vos: “venham para a China para descobrir nosso enorme mercado”.

Eu represento uma nova geração de empresários africanos que é uma nova realidade económica do nosso continente. Homens e mulheres de negócios em África estão a aumentar a sua presença globalmente, fora de África.

É a nossa ambição, é o nosso desejo, como empresa africana, estar presente no continente asiático, e especialmente na China.